Feeds:
Posts
Comentários

Nada que esse cara faz dá certo.Até quando ele dança ele dança.

Anúncios

por Luiz Carlos Azenha

A São Paulo da propaganda eleitoral de José Serra é perfeita. Estradas, hospitais, escolas, clínicas de atendimento a alcoólatras e drogados, obras em rios etc. A São Paulo de verdade é outra: basta viajar alguns quilômetros a partir do centro da cidade para descobrir. Aliás, como notou um internauta quando escrevi isso outro dia, não precisa tanto: é só ir à cracolândia, que fica no centro. Todas as vezes que vou à periferia da cidade — e faço isso com bastante frequência — tomo um choque ao voltar ao centro. São dois mundos.

Os tucanos paulistas, que governam o estado há 16 anos, contam com a blindagem completa da grande mídia. Há problemas pontuais, aqui ou ali. Mas problemas estruturais… em São Paulo? Nunca. Há críticas aqui ou ali, na mídia. Críticas pontuais. Mas dizer que o governo Serra foi medíocre, na mídia?  Isso custaria o emprego. Foi um governo medíocre porque São Paulo dispõe de dinheiro, de saber e de dinamismo econômico. Mas os tucanos só estão no governo há 16 anos justamente por não fazerem os investimentos sociais que seriam necessários para acabar com a desigualdade no estado, que é profunda. Isso exigiria impostos e eles pregam o governo mínimo. São Paulo era para ser um exemplo para todo o Brasil. Há tanta força por aqui, tanta energia boa e tanto dinheiro que os tucanos poderiam ter detonado o governo Lula por comparação! Mas… vá à periferia de São Paulo, capital, como fui esta semana a Parelheiros e ao Grajaú. Ouça a população pobre: faltam vagas nas escolas, faltam creches, faltam vagas em hospitais, sobra trânsito e falta segurança.

Relativamente a outras regiões do Brasil, São Paulo pode mesmo ter avançado mais. Mas, não. Contando com a blindagem da mídia, os tucanos se preocuparam quase que exclusivamente com as oportunidades de negócios para os amigos e aliados. José Serra, especificamente, trata os movimentos sociais como inimigos. Os pobres são pobres, mas não bobos. Reside aí a chance de Dilma Rousseff de obter, em São Paulo, entre 30% e 40% dos votos. Entenderam como funciona a blindagem da mídia? É garantia de que os tucanos podem fazer seus negócios sem se incomodar com a clientela e sem que os demais brasileiros saibam exatamente o que se passa por aqui.

Mas o Marco Aurélio Mello, do Doladodelá, paga pedágio para chegar ao trabalho. O Rodrigo Vianna, do Escrevinhador, enfrenta o trânsito para chegar ao trabalho. O Paulo Henrique Amorim, do Conversa Afiada, vai ao Jardim Pantanal. O Eduardo Guimarães, do Cidadania, frequenta os hospitais por conta do quadro trágico de sua filha. O Luís Nassif, embora morador do Higienópolis, anda bastante por aí e frequenta os bastidores do poder. Isso explica porque esses blogueiros são uma ameaça a José Serra. Eles rompem, ainda que timidamente, já que a grande maioria dos brasileiros ainda não tem acesso à internet, a blindagem que a mídia oferece a José Serra.

Eles podem contar a outros brasileiros, através da rede, que São Paulo não é esse paraíso da propaganda eleitoral, ou pelo menos que é paraíso para alguns, para a minoria. É por isso que eles são os “blogueiros sujos”. Sujam a imagem do Zé.

Acesse o blog do Azenha aqui:www.viomundo.com.br

A 45 dias das eleições presidenciais, apenas um fato novo, fora de controle, poderá mudar o rumo da campanha. Sem esta virada, a tendência é que a candidata do PT, Dilma Rousseff, saia vitoriosa no primeiro turno, em 3 de outubro, como apontam pesquisas recentes de intenção de voto. A avaliação é da diretora-executiva do Ibope, Marcia Cavallari.

No levantamento do instituto divulgado há três dias, Dilma tem 11 pontos percentuais de vantagem sobre seu principal adversário, José Serra (PSDB), e, computados apenas os votos válidos “excluídos brancos, nulos e indecisos”, ela venceria com 51%, enquanto Serra contaria com 38% neste cálculo.

“Se nada acontecer, e avaliando as tendências até o momento, as chances dela ganhar no primeiro turno são muito grandes”, disse Marcia. “Não exime que na reta final da campanha aconteça algum fato que possa trazer um impacto grande nas campanhas”, avalia. “A gente está entrando numa fase da campanha que é a fase onde nenhum dos candidatos pode ser pego de surpresa.”

Na hipótese de a “surpresa” se resumir a uma acusação de Serra contra Dilma ou contra o petismo, é preciso que venha bem fundamentada, caso contrário dificilmente terá o efeito desejado.

Segundo a executiva do Ibope, o eleitor precisa ter certeza que a denúncia é verdadeira, fundamentada e com provas. “Se ficar só no discurso, o eleitor já tem este filtro de falar que isso faz parte do jogo, de um ficar atacando o outro. A gente vê ao longo das campanhas que o eleitor não gosta.”

Outros ingredientes podem afetar a intenção de voto do eleitor. O horário eleitoral gratuito no rádio e na TV, as inserções na mídia, que tiveram início esta semana, e os debates terão impacto na campanha.

Com esses programas, o eleitor vai começar a comparar os candidatos de uma forma mais direta porque vai receber informações de todos ao mesmo tempo. Podem favorecer ou desmerecer os concorrentes.

Para procurar reverter o cenário, diz a executiva do Ibope, Serra poderia potencializar seu grau de experiência e sua trajetória política e reforçar que tem condições de exercer a continuidade das políticas públicas que são bem avaliadas pela população, mesmo sendo de oposição.

Serra já tem um terço dos votos daqueles que consideram o governo Lula como bom e 19% daqueles que veem a gestão federal como ótima, segundo dados do Ibope. A aprovação ao governo Lula chega a 78%. Terra

Deu no: Faltando Teclas

Que Serra não é aquele pacato candidato que aparece nos noticiários Globais, todos que lêem blogs e a imprensa independente sabem muito bem.

Mas para os iniciados, e os curiosos, eu fiz uma coletânea de vídeos que mostram como é o candidato sem edição.

Só queria mais um vídeo para coroar este post: de Serra pedindo desculpas a um repórter da Globo que ele havia ensaiado um de seus coices rotineiros.

Quem tiver essa pérola poste nos comentários!

Agora, com vocês, Serra em “A volta do Todo-Poderoso”

Dia 14 de Julho foi o mais recente ataque:

Na RBS Serra se irrita e tenta desqualificar pergunta de jornalista:

Veja como Serra é o nosso Odorico Paraguaçu

Serra no Roda Viva: Tentou desqualificar Heródoto e resultou no afastamento do jornalista do Programa.

Serra se mostra um democrata falando para Record: Mais coices

Serra se irrita com questionamento sobre bolsa-família

Um dos primeiros chiliques de Serra em 2010

Durante o debate Folha/UOL, duas perguntas “de internautas” dirigidas para Serra – uma sobre o loteamento de cargos, outra sobre impostos – chamaram atenção, por parecer combinada, sob encomenda para o demo-tucano.

“Foram vocês que mandaram as perguntas, né?”, ironizaram os assessores de Dilma e Marina, para os de Serra.

“Aí é moleza, Aith!”, disse Antonio Palocci para Márcio Aith, assessor de Serra, ao ouvir pergunta sobre loteamento de cargos, tema sempre usado pelo tucano. “Registra em ata”, devolveu Aith. A ironia de Palocci se confirmou

O “internauta” Kleber Maciel Lage, “escolhido entre milhares”, para fazer uma pergunta a Serra, é  o “Assessor Técnico da Liderança do PSDB na Câmara dos Deputados”, desde 2001.

Foi escolhido para fazer a singela pergunta, contra o “atual governo”:

“A sua candidatura faz críticas ao aparelhamento do Estado e ao uso de cargos por parte do atual governo. É público e notório que as alianças políticas no passado recente da, aspas, democracia, são feitas na base do “toma-lá dá-cá” de cargos, como mudar esse cenário?”

Ironia das ironias, a pergunta sobre “toma-lá dá-cá” de cargos, foi feita justamente por alguém que ocupa cargo público na base do “toma-lá dá-cá”, na Câmara dos deputados, na liderança do PSDB.

E quanto à Folha/UOL, depois disso, ainda quer que a gente não ria quando falam que são “apartidários” e “isentos”.

Para quem quiser mandar uma mensagem para o Kleber o email é esse:  Liderança do PSDB na câmara:  kleber.lage@camara.gov.br

do blog:www.osamigosdopresidentelula.blogspot.com

José Serra (PSDB/SP) está atordoado com o ritmo alucinado de queda nas pesquisas.

Acostumado a espalhar dossiês e boatos na imprensa paulista e na TV Globo nas eleições passadas, sem contestação, está encontrando uma barreira intransponível na internet, e não consegue praticar o jogo sujo eleitoral a que sempre esteve acostumado.

Globo, Folha, Estadão e Veja, bem que tentam e fazem o que podem para ajudar o demo-tucano, mas não conseguem mais mentir sem ser desmentidos on-line, na internet.

Por isso Serra, vendo que não consegue controlar o fluxo de informação, e que seus blogueiros não conseguem “formar opinião”, resolveu atacar a blogosfera.

Serra acusa os outros de fazer o que ele tem fama

Serra fez as críticas em discurso, hoje, na ANJ – Associação Nacional [dos donos] de Jornais). Trata-se do Partido da Imprensa Golpista, como a própria presidente da entidade, Judith Brito, admitiu. Ela defendeu publicamente que a imprensa atue como partido de oposição, “já que a oposição estava muito fragilizada”.

Hoje, Serra acusou, de forma leviana, sem sequer dar nomes, o governo Lula de financiar “blogs sujos” que “dão norte do patrulhamento” a jornalistas.

Mas foi o demo-tucano, quando governador, quem comprou assinaturas em massa de jornais e revistas sem licitação, e gastou fortunas do dinheiro público com anúncios nestas publicações.

Em troca de adoçar o bolso dos donos da imprensa, sempre gozou da “simpatia” dos donos dos jornais, revistas e TVs, a ponto de manterem blogs que fazem claramente campanha permanente para Serra, como Reinaldo Azevedo, Ricardo José Delgado, Augusto Nunes, Lucia Hipólito, Josias, etc. Além dos colunistas e comentaristas.

Serra afirmou, sem citar nomes, que o governo faz “patrulhamentos e perseguições sistemáticas” a jornalistas. Mas quem tem fama de fazer isso, é o próprio Serra. Já escreveram a esse respeito diversos jornalistas, como Kennedy Alencar, Luiz Nassif, Paulo Henrique Amorim, e vários outros.

A cabeça do jornalista Heródoto Barbeiro rolou da TV Cultura do governo de São Paulo, após a pergunta incômoda sobre pedágios a Serra.

O demo-tucano não deu nomes para escapar de processos, mas acusou a TV Brasil:

“Boa parte desta estratégia não deixa de ser alimentada por recursos públicos, como por exemplo da TV Brasil, que não foi feita para ter audiência, mas para criar empregos na área de jornalismo e servir de instrumento de poder para um partido.”

Após sua palestra, Serra se recusou a responder três perguntas de jornalistas sobre a suposta falta de oposição no Brasil e sobre quais são os blogs sujos a que se referia.

Serra quer controlar a imprensa, e D. Judith Brito não reclama

Serra defendeu que haja regulamentação do direito de resposta depois que o STF julgou a lei de imprensa como inconstitucional. “É uma questão que não deve ficar em aberto porque pode gerar coisa ruim em termos de censura e liberdade de imprensa.”

Ora, é justamente direito de resposta, um dos tópicos que o governo Lula, o PT, mais reclama, e que o partido da D. Judith sempre disse que as críticas são de quem quer controlar a imprensa.

Quando o Serra diz a mesma coisa, D. Judith se cala?

Em seu discurso, Serra, após defender o direito de resposta, foi cínico: fez críticas diretas à candidata do PT, Dilma Rousseff, e ao PT por defenderem o “controle da mídia”, que segundo ele, nada mais é do que censura e restrição à liberdade de expressão.

Serra é cínico também porque a agenda do PT, PCdoB e outros partidos, é de democratização das comunicações. Quanto menos monopólio e oligopólio, quanto mais canais de Tv e rádios, mais liberdade de expressão.

O que é inaceitável são concessões de TVs, como eram feitas no passado, serem dádivas para amigos e famílias de políticos demo-tucanos.

Do blog:www.osamigosdopresidentelula.blogspot.com