Feeds:
Posts
Comentários

Archive for junho \03\UTC 2008

Parte 1

O Dr.FARUPAS era , como de costume, candidato a reeleição para Governador da província de Paranu e tinha muitas chances de vitória no primeiro turno.Nos últimos quatro anos ele contou com muitos recursos da Governo central e pôde realizar obras e mais obras, algumas delas de muita visibilidade e importância para a população do interior, embora caríssimas e dizem até que superfaturadas. Ao que parece, em Paranu os políticos são especialistas em gerar obras para grandes empreiteiras e prestadores de serviços locais com um sobrepreço nunca inferior a 10%.

O Dr. FARUPAS sempre escuta muito seus interlocutores mas raramente fala alguma coisa.É um politico a moda antiga, astuto observador do cenário regional,profundo conhecedor da politica e da politicagem no seu terreiro e conta com uma equipe de colaboradores fieis e outros nem tanto.No meio destes há também honestos e nem tão honestos, mas todos tem uma característica muito própria da província: são pucha sacos e atrelados à máquina pública. Aliás a província de Paranu é conhecida e reconhecida pelo apetite por cargos dos seus políticos tradicionais e pelos importantes prejuízos causados por estes à SUDEPA (Superintendência do Desenvolvimento de Paranu) em seus auréos tempos.

O Dr. FARUPAS sabe de tudo isso e em off até rí do apetite de seus correligionários e para a imprensa sempre diz não ter apego ao cargo de Governador, mas no fundo todos sabem que a coligação existente na província foi idealizada por ele com o objetivo de perpetuar-se no poder por um longo tempo e ela só se mantem graças a ele. Ainda não é possível dizer que a oposição venha,num futuro próximo, assumir o poder principal na província. A coligação vai continuar reinando em Paranu por um bom tempo, ainda que com pequenas briguinhas passageiras.

O Dr. FARUPAS estava muito preocupado com as finanças da campanha que havia iniciado para a sua reeleição pois as doações oficiais já tinham praticamente acabado e as grandes dívidas e certamente uma poupança deveria ser equacionada ( os políticos adoram esta palavra). Afinal qual é o politico que não guarda uma sobra de dinheiro da campanha. É também por isso que existe o famoso caixa 2 ou como dizia o Dr.Dilúvio : dinheiro não contabilizado.

Era preciso encontrar grandes financiadores, com interesses importantes na província e sabidamente ansiosos para manterem suas atividades na região, com uma boa rentabilidade. Dr.Farupas conhecia pelo menos umas treis empresas de grande porte que poderiam aportar muito dinheiro para a campanha, sem o registro no TEP.(Tribunal Eleitoral de Paranu).

Na hora da captação de fundos extras e não contabilizados o Dr.FARUPAS não gostava de aparecer . A imagem de um politico sério, conservador,honesto,imune a qualquer tipo de suspeita tinha que ser mantida custe o que custar e é nessas horas que ele chama o seu fiel escudeiro Dr. COBRILDO , seu companheiro de chapa e membro principal do outro partido da coligação. Serviços confidenciais e financiamento via recursos não contabilizados é com o Dr. COBRILDO que sabidamente tem uma equipe muito bem estruturada, de confiança e altamente consciente de que na era pós FARUPAS são eles que vão assumir o poder na provincia Paranuense.

O principal assessor do Dr.Cobrildo é o Dr. Jofenu que já tinha inclusive trabalhado com ele à época em que era representante de Paranu no Governo Central.Dr.Jofenu é um especialista em licitações e montagens de operações estruturadas com a finalidade de encobrir as doações de recursos não contabilizados.
Dr.Jofenu é um cara discreto, devota uma fidelidade canina ao Dr.Cobrildo, é muito desconfiado e nunca dá seu número de telefone celular, mas em conversas reservadas demonstra um grande apetite por dinheiro e um conhecimento profundo da máquina pública de Paranu.

Dr.Cobrildo chama então Dr.Jofenu para uma primeira reunião com o objetivo de estruturar uma forma urgente de captação de recursos para o caixa da campanha do Dr.Farupas.

O dinheiro precisa entrar logo, avisa o Dr.Cobrildo ao Dr.Jofenu, já com a certeza de saber qual será o primeiro e grande doador a ser abordado.

Ah. o Dr.Cobrildo sabia também que o Dr.Jacobino, Diretor local deste grande doador, era um bunda mole, medroso e louco para ganhar uma futura concorrência e mostrar para sua casa matriz que ele era o ” bonzão “, o cara apto a voltar para a matriz de onde foi injustamente afastado, segundo ele. Para ganhar o contrato da Provincia de Paranu ele se dispunha a tudo, mas tudo mesmo pois era uma questão de sobrevivência e futuro.
Dr. Cobrildo sabia exatamente o ponto fraco do doador e do seu Diretor local e aproveitava bem isso. E como aproveitava.Todo tiro era um tiro certeiro.
continua…
Post sujeito a modificações e correções.
Anúncios

Read Full Post »

Jura ou não jura

Jamais vou jurar que :

-não lavei dinheiro por conta e determinação de terceiros;

-não vi operações de caixa dois para politicos em toda minha carreira bancária;

-não vi licitações dirigidas no Brasil,na África e na Bolívia.

Posso jurar que:

-não fui para o Uruguai levar aqueles formulários do Delta Bank para o Banco Real;

-não posso me aposentar regularmente porque me falta as contribuições do Banco Real ao INSS;

-a rescisão do meu contrato em 1995 para trabalhar oficialmente de forma exclusiva para o Delta Bank foi uma fraude e uma simulação feita pelo Banco Real.

Alguém prá me contestar ?

Read Full Post »


Um pequeno aperitivo pois estou escrevendo um post sôbre este assunto…e uma pergunta ao José Mentor: Porque a caixa com os 100 clientes não foi apresentada para a imprensa e para a CPI à época. Mistérios…quantos mistérios.

Read Full Post »